Tour pelo meu corpo - O vídeo mais difícil que já gravei

21:15

Olá xuxuzinhos, tudo bem? Hoje postei um vídeo muito especial e muito, mas muito desafiador. Eu gravei o tão popular "tour pelo meu corpo" e mostrei pra vocês toda a fragilidade que reside nesse coração que vos escreve. 


Quando eu era pequena não entendia quando me chamavam de "balofinha", mas sabia pelo tom de deboche que não era uma coisa divertida. Os meus familiares não ajudavam muito, também. Perdi as contas de quantas vezes meu padrinho disse que eu parecia uma criança grávida ou que meu pai cogitou quebrar a porta, com o intuito de deixar a filha balofinha passar. Cara, eu ouvi tanta coisa enquanto crescia que existiram momentos que pensei seriamente em pegar uma faca e cortar o excesso de barriga, de gordura entre as coxas, de seios...

Chorar até dormir, entrar numa montanha russa de dietas e programa de exercícios. Foi assim que vivi TODA minha adolescência. 



Quando tinha 12 ou 13 anos os caras na rua começaram a prestar atenção em mim, mesmo sendo "cheinha", sempre tive cintura e meus peitos (em crescimento) já eram fartos e firmes. Todos os elementos citados anteriormente e o meu amor por legging preta hiper justa acabaram sexualizando a pré-adolescente Gisiele. E foi assim, que passei a achar que a única interessante em mim seriam meus peitos ou então minha, ou talvez o conjunto inteiro se fosse o tipo de tal homem. 

Nunca, jamais passou pela minha cabeça que alguém fosse gostar de mim porque eu amo HArry Potter, porque tenho 13 cachorros ou talvez porque faço uma pizza maravilhosa. Na minha cabeça, apenas meu corpo (durante as fases de "boa forma") atrairiam a atenção do boy da vez. 

Eu sofri, fui julgada, iludida e abusada verbalmente, por ser a "garota precoce" e por estar a cima do peso, conforme a curva da montanha-russa. Foram anos de sofrimento, anos de isolamento, até que finalmente eu comecei a me preocupar mais com a minha saúde, mental e física. E é por isso, que nessa minha fase de cura, convido vocês a assistirem o tour pelo meu corpo. Hoje eu não acho ele uma berração. Hoje eu quase gosto dele. Mais que ontem e menos que amanhã. 

*O blog Gisiele Pimel fez uma parceria com o blog Isadora Xavier. A Dora tem feito as miniaturas dos nossos vídeos lá do Youtube! Conheça o blog dela: Isadora Xavier.

Você também pode gostar

0 comentários